Estado ou mercado?

22 05 2008

No ultimo post foi exposta a dificuldade em se tratar da administração dos sistemas de saúde tanto pelo setor público, com a socialização dos serviços médicos, como pelo setor privado, com o a filosofia de livre mercado.

Esse é mais um exemplo que evidencia que nem o Estado, nem o mercado são suficientes sozinhos, o interessante a ser buscado é uma progressiva cooperação entre os dois. A antiga visão extremista que cada instituição era antagônica à outra parece ser cada vez mais ultrapassada, são vários os exemplos que mostram que políticas públicas aliadas à lógica do capital proporcionam bons resultados práticos. Retomando o assunto do último post, o exemplo que vou citar é exatamente o modelo de gestão da saúde adotado por Cingapura.

O sistema no pequeno país asiático funciona através de uma sinergia entre o poder público e privado. Todo cidadão cingapuriano possui uma poupança compulsória que é abastecida mensalmente através de uma taxa paga tanto pelo dono da conta como pelo governo. Aqueles que possuem renda insuficiente para o pagamento do mínimo estipulado mensal, recebem ajuda do governo para completar a contribuição. Essa poupança rende altos juros ao ano, e fica disponível ao indivíduo a qualquer momento para suas despesas médicas. Dessa forma, o paciente garante a autonomia para tomar suas decisões e escolher o seu tratamento apropriado, resolvendo um dos problemas dos modelos citados no post anterior, onde quem decidia o tratamento a ser utilizado eram ora as seguradoras, ora o governo. Aqui entra o preço de mercado, que equaliza as despesas médicas para o possível “preço justo”. A poupança compulsória paga os tratamentos menos custosos, que representam a grande maioria de casos no sistema de saúde. Os seguros catastróficos pagam os casos mais sérios, e é relativamente barato e acessível à maioria da população.

Os custos do sistema mostram o sucesso alcançado por ele. A despesa por pessoa gira em torno de mil dólares por ano, menor do que o custo estipulado só de burocracia nos EUA. Desse valor, o cidadão paga 700 dólares (nos EUA paga-se três vezes mais às seguradoras), e o governo paga 300 dólares (sete vezes menos que o governo americano). Não tenho dúvidas que esses valores também ficam muito abaixo dos custos no Brasil. Esse modelo promove uma eficiência no setor por dar aos pacientes o máximo de autonomia e responsabilidade no seu tratamento, e por incentivar a concorrência no mercado, com isso gastos supérfluos com burocracia, por exemplo, são minimizados.

O sistema de saúde de Cingapura é um dos mais avançados do mundo e é exemplo por seus avanços tecnológicos e acessibilidade à população. Sua fórmula é consolidada há duas décadas e seu sucesso se reflete em ótimos indicadores de saúde e reconhecimento internacional (como mostra essa reportagem da BBC). Ela sofre, entretanto, alguma resistência para ser aplicada em outros países devido ao debate político-ideológico que contrapõe as figuras de Estado e mercado em suas funções. Essa visão maniqueísta entre as duas instituições precisa ser definitivamente superada para o desenvolvimento das organizações políticas atuais. Ao meu ver, essa polarização ideológica está hoje completamente defasada e seu prolongamento só causa mais atraso.

Em certo período da história, o Neoliberalismo foi importante por desempenhar uma função de contraponto radical ao Socialismo. Na Guerra Fria o mundo se encontrava dividido em duas áreas de influência, onde ou um país era capitalista, ou socialista, sem meio-termos. Hoje os tempos são outros. Acreditar, em pleno século XXI, que Estado forte intervencionista é retrocesso não cabe mais, na minha opinião, no nosso contexto histórico.

Escrito por renanfig.

Anúncios

Ações

Information

One response

31 05 2008
yuri

Excelente texto!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: